Conheça nosso guia de fatura de energia

Mais um dia de vencimento da fatura chegou, e agora? Tudo que está sendo cobrado está correto? Tenho como identificar alguma cobrança indevida, ou ainda, é possível reduzir os custos da minha fatura de energia? 

Bem, se você quer saber sobre multas que podem ou não estar sendo aplicadas na sua conta de energia elétrica, primeiro é preciso entender os custos que a compõe. Depois, é preciso saber em que tipo de consumidor você se encaixa. E por fim, para reduzir os preços, é preciso saber se a redução do consumo é a única alternativa.

Serviços custeados pela sua conta de luz

A conta de luz, como é popularmente chamada a sua fatura de energia elétrica, custeia a geração, transmissão e distribuição da energia que você consome. Nela ainda são integrados encargos setoriais e tributos. 

Todas estas cobranças são aplicadas à qualquer tipo de consumidor. E para que você possa entender o preço final da sua fatura de energia, cada um destes itens aparece especificado. 

Existe ainda, outras cobranças como multas e juros por atrasos, também para todas as classificações de consumidor. No entanto, multas específicas são aplicadas para indústrias, por exemplo. Siga a leitura, e você entenderá o porquê ao finalizar este guia.

Diferenciando consumidores pela tensão elétrica utilizada

Antes de explicarmos as multas aplicáveis e cada indicador da sua fatura de energia, vamos voltar um pouco às aulas de física? Você deve usar rotineiramente as palavras volt (v) e quilovolt (Kv). Lembra que elas são medidas de tensão elétrica? Pois é, a partir da necessidade de baixa, média ou alta tensão é que os consumidores são classificados. Veja abaixo a categorização:

De forma macro, temos os grupos A e B. O primeiro se refere ao tipo de consumidor industrial. Enquanto o segundo, se refere aos consumidores residenciais ou comerciais. 

Desta maneira é que são diferenciados os níveis de tensão elétrica para cada tipo de consumidor. Ou seja, na indústria, por exemplo, são utilizados motores que exigem mais potência, enquanto nas residências essa carga pode ser inferior.

Para o consumo residencial a tensão é inferior a 2.300 V, enquanto na indústria o valor é acima deste número. 

Obs.: Aqui não faremos o detalhamento dos subgrupos, mas saiba que eles existem. 

Consumo que resulta na fatura de energia

Ainda usando as aulas de física, lembre das medidas de energia e unidade de tempo. Logo, a energia elétrica que um aparelho consome durante um período de funcionamento é medida pelo quilowatt-hora (kWh). 

Pois bem, o cálculo da sua conta será feito pela quantidade consumida em determinado período, multiplicada pelo preço do kWh. Exemplificando: 

Um consumo de 100 kWh, em que o preço do kWh é R$ 0,764438 (é assim que aparece na sua conta), totaliza R$ 76,45. 

Esse é o valor a ser pago pelo consumo da energia. 

Desagrupando cada cobrança

As distribuidoras de energia elétrica precisam deixar claros os dados e informações sobre a aplicação dos preços. Isto é exigência da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), órgão que regula o setor elétrico aqui no Brasil. 

Usando o exemplo anterior, em que o consumo em determinado período foi de 100 kwh, acrescenta-se uma taxa municipal para iluminação pública, assim como multas e juros em caso de atrasos (referente a conta anterior). Em uma cidade em que a taxa de iluminação cobrada é R$ 5,24, e em que não houve atraso no pagamento da fatura anterior, o total deve ser de R$ 81,69.

Passo a passo que deve conter na sua fatura de energia

Independente da distribuidora que opera na sua cidade, os tópicos a seguir devem aparecer com clareza em sua fatura de energia:

  • Descrição da nota fiscal;
  • Demonstrativo de consumo;
  • Histórico de consumo;
  • Encargos setoriais  e tributos;
  • Composição da fatura.

Descrição da nota fiscal: 

Aqui você identifica a quantidade consumida e o preço pago por kWh, a taxa da iluminação pública, e os juros e multas (por atraso da conta anterior ou outros tipos). Algumas distribuidoras também inserem aqui, o valor da bandeira em vigor daquele período, enquanto outras, inserem essa informação da fatura anterior. 

Demonstrativo de consumo:

Neste quadro da sua fatura, estará a informação do período de consumo referente ao valor pago. Ou seja, o ciclo daquele faturamento, com as datas da leitura anterior e atual. 

Histórico de consumo:

É onde você pode acompanhar o consumo dos últimos 13 meses da suas faturas de energia elétrica. Ele pode te ajudar a identificar em que meses ocorre a oscilação e te ajudar a pensar em como reduzir custos para determinado mês. Veja mais abaixo. 

Encargos e tributos:

Em toda conta de luz uma parte do valor pago é convertida em Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), assim como em Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (COFINS).  

Composição da fatura:

Sabe aqueles custos que mencionamos no início deste texto, que são aplicados à qualquer tipo de consumidor? Então, é aqui que você vê o preço pago em cada um deles: geração, transmissão, distribuição e os que citamos acima. 

Multas para baixo fator de potência

Como você viu aqui aos consumidores de tensão elétrica acima de 2.300 V, são aplicáveis multas diferentes do consumidor residencial. Dessa maneira, calcula-se o baixo fator de potência. 

Ele consiste no uso de dois tipos de energia, a ativa e a reativa. Ambas são consumidas nas indústrias quando as máquinas são ligadas. Porém, a energia ativa é aquela que de fato realiza o trabalho. Enquanto a energia reativa é necessária para acionar os motores, mas pode ocasionar desperdício de energia.

É este desperdício que entra como multa na sua conta se você se enquadra neste perfil de consumidor. Portanto, você deve consultar um engenheiro-eletricista para te orientar após um laudo de identificação de como suas máquinas estão operando. 

Isto é, se elas estão performando com eficiência energética. Existem aparelhos e acessórios que podem contribuir nessa redução de custos da sua empresa.

A IMS fornece soluções completas que analisam, gerenciam e controlam, em tempo integral o consumo de energia, de forma local ou remota.

Bandeiras e modalidades tarifárias

As bandeiras identificam o acréscimo ou não de valores aos kWh da sua conta. A distribuidora deve informar previamente qual será aplicada no período seguinte da fatura que está em suas mãos. 

É desta forma que você consegue reduzir o consumo para baixar os custos em cada ciclo de faturamento. Existem quatro distinções de bandeira:

A verde indica que não haverá acréscimo no valor determinado ali. A amarela contabiliza R$ 0,02 a mais por kWh. Na vermelha patamar 1 este valor é de R$ 0,03. Enquanto na vermelha patamar 2, o acréscimo é de R$ 0,035.

Existem também modalidades de tarifas que reduzem os custos de acordo com o horário de consumo. Verifique qual se aplica ao seu perfil e comece a economizar já no próximo ciclo de faturamento. 

Não esqueça de pedir os detalhes que podem fazer a diferença real na sua conta. Pois de nada adianta você pedir a alteração da modalidade, se não adaptar os seus hábitos de consumo. 

Como assim? Existe a modalidade azul em que o valor cobrado é o mesmo em qualquer horário, enquanto a modalidade verde tem valor diferenciado se o consumo não se enquadrar no horário de pico da sua cidade. 

Atenção! Verde pode ser uma bandeira ou uma modalidade, então tenha cuidado ao fazer o cálculo. 

Quer saber mais sobre como economizar na sua conta de energia elétrica? Acesse esse conteúdo e veja como. 

Siga acompanhando nosso blog e aproveite as novidades em nosso site